INVASÃO

História canhão 39 | 015881

  Esse canhão é batizado com o nome de Advino (Adivinho em espanhol). Feito de 90% de cobre mexicano, foi manufaturado
na Espanha e consequentemente enviado à América colonial.
Isso indica o quanto a produção de armamento era complexa
e de alto custo. A peça foi capturada por portugueses que invadiram o Uruguai no período dos conflitos de independência do país, liderado por General Artigas. Era comum no fim das batalhas, soldados recolherem armamentos deixados para trás pelo inimigo e trazerem para seu país como troféu da vitória. Após uma série de confrontos que vão até 1821, Artigas é derrotado e se exila no Paraguai finalizando assim o conflito. Apenas em 1830 se estabelece a república uruguaia e a política divide-se entre conservadores (blancos) e liberais (colorados).
As desavenças entre os dois posicionamentos políticos levaram
à Grande Guerra que se estendeu por 12 anos (1839-1851).

 

  Os polos políticos compostos por conservadores e progressistas marcaram embates ao longo do tempo no Uruguai e no mundo, gerando guerras, conflitos e manifestações. 
Hoje, existe um visível crescimento de governos conservadores
e ultraconservadores não só na América Latina, mas em todo
o planeta, sendo o Brasil um país que vive esta realidade. Realidade na qual a natureza do governar se exerce sob
não contemplar os direitos das minorias, invisibilizando-as em detrimento de interesses comerciais e individuais. As mulheres por sua vez, mesmo não sendo minoria numérica no país, ainda sofrem com a desassistência do governo – sinal que identifica a postura política quanto aos grupos não contemplados pelo sistema hegemônico-patriarcal conservador.


  Em fevereiro de 2020, por exemplo, antes da pandemia do Covid-19 se instalar no Brasil, o presidente brasileiro em
exercício zerou repasses ao programa Casa da Mulher Brasileira que atende mulheres em situação de violência. Considerando isso, nas circunstâncias atuais de isolamento social compulsório,
os índices de violência doméstica contra mulher cresceram drasticamente. Segundo o site Agência Brasil, só no Estado de São Paulo houve crescimento de 44,9% de violência doméstica em Abril de 2020 em comparação com o mesmo mês no ano passado. Dado esse que confirma a escassez de políticas públicas de assessoria às mulheres, contribuindo para a desigualdade de gênero no país.

 

cheiro Invasão 

   O cheiro da Invasão procura trazer em sua composição
a violência, o medo, a ganância e ao mesmo tempo à coragem dos invasores. O medo e a ansiedade daqueles afetados pelas invasões são representados pelas notas animálicas, fenílicas, fétidas, encontradas no Osmanthus enquanto que a violência é evocada no antisséptico dos ferimentos e no metálico do sangue que os extratos de Castoreum, Oud e Musk trazem na composição.

  O cheiro é quente, queimado, e apresenta notas de cinzas, memória dos canhões. A pólvora que tem como componentes o enxofre, carbono e salitre é conhecida desde o século IX como pólvora negra ou cheiro do inferno.  O aldehyde cuminic, uma das principais moléculas do cominho, instigam o pungente, especiado
e oleoso da Invasão.

Essa página conta a história do canhão e suas 
relações com cheiro Invasão do canhão #39.

As perguntas a seguir são pontes entre você e a História,
você e suas memórias, passado e presente.

Sua contribuição é muito importante na
construção coletiva desse vocabulário olfativo.

 

Você já se sentiu invadida(o) por um cheiro? 

Como foi essa experiência?


 

Cheiros são invasivos. 

Pode identificar e conectar esta invasão
olfativa com um local ou espaço?


Responda aqui

Curiosidade: Essa peça de artilharia é irmã do canhão número 14
cheiro de Lacrimae
, de nome Tibério. Era comum batizar os canhões
com nomes clássicos ou mitológicos na Espanha do final do século XVIII.