Projeto Silkscreen 
Silkscreen Project
(1976-1988)

"Nos Estados Unidos, Josely Carvalho começou a trabalhar com grupos comunitários em 1975-1976, na condição de artista residente em Arlington, na Virgínia. Com o intuito de tornar a serigrafia acessível a adolescentes, adultos e idosos sem experiência artística prévia, desenvolveu técnicas simples e baratas. No ano seguinte, ela levou suas ideias sobre arte comunitária para Nova Iorque, onde se tornou artista residente na igreja St. Marks in-the-Bowery.
Lá, concebeu e desenvolveu o Projeto Silkscreen (1976-1988), cujo objetivo era ensinar técnicas coletivas de impressão serigráfica a diversas comunidades e grupos políticos, a fim de que pudessem fazer faixas, pôsteres e murais para passeatas e manifestações. O uso de processos serigráficos simplificados permitia a esses grupos criar várias faixas diferentes em oficinas de duas a três horas de duração. Esse projeto logo se tornou fundamental para as atividades políticas comunitárias.
Na Marcha pelo Desarmamento Nuclear, ocorrida em junho de 1982, mais de cem grupos se uniram para confeccionar cerca de quatrocentas faixas durante um período de dois meses. Camisetas, pôsteres, estandartes e “murais ambulantes” foram produzidos coletivamente e, em seguida, identificados com o nome do Projeto Silkscreen. Na ocasião, Josely fez uma
das faixas, que é uma das poucas obras suas realizadas durante esse período, caracterizado pela natureza coletiva das iniciativas. Infelizmente, há pouca documentação visual das oficinas e dos eventos, para os quais esses objetos foram criados. Considerados efêmeros,
foram quase sempre descartados
após terem sido usados."

(Julia P. Herzberg)